segunda-feira, 7 de março de 2011

Americana confessa ter matado os três filhos na Escócia

A americana Theresa Riggi, 47, admitiu nesta segunda-feira ter matado os três filhos em sua casa, na Escócia.
Os gêmeos Austin e Luke, de oito anos, e a menina Cecilia, de cinco anos, foram encontrados mortos a facadas em um apartamento na cidade de Edimburgo em 4 de agosto de 2010.
Theresa, que aparentemente tentou se matar depois de cometer os crimes, foi a princípio acusada de homicídio doloso triplo, mas só se declarou culpada ao ter a acusação modificada para homicídio culposo com responsabilidade diminuída.
A defesa alegou que ela sofre de distúrbios de personalidade.
A Alta Corte de Edimburgo ouviu que a americana estava envolvida em uma batalha pela custódia das crianças com seu ex-marido.
Theresa e o executivo da indústria do petróleo Pasquale Riggi, o pai das crianças, haviam falado pelo telefone no dia 2 de agosto de 2010.
Durante a conversa, Theresa perguntou ao ex-marido se ele levaria as crianças embora e ele respondeu que ela não lhe havia deixado outra escolha. A mulher teria dito: "Então diga adeus a eles" e desligado o telefone.
TENTATIVA DE SUICÍDIO
No tribunal, foi dito que em algum momento nas 48 horas após a conversa telefônica com o ex-marido, Theresa esfaqueou cada um dos filhos.
Por volta das 15h no horário local do dia 4 de agosto, o gerente de construção Derek Knight, que estava próximo, ouviu uma explosão vinda do apartamento onde estava Riggi, no segundo andar.
Ele abriu a porta da garagem da casa e fechou o gás que vazava do fogão, o que teria causado a explosão. Em seguida, viu Theresa Riggi gritando na varanda.
Segundo Knight, ela tinha dois cortes no pescoço e subia no parapeito. O vizinho da família, Jordan Cochrane, pediu a Riggi que não pulasse.
Enquanto isso, Knight entrou no apartamento e encontrou os corpos das três crianças. Quando chegou à varanda, a mãe já havia pulado. Cochrane tentou segurá-la e ambos caíram no chão.
DISTÚRBIOS
O advogado de defesa de Riggi, Donald Finlay, disse que relatórios sobre seu estado mental identificaram distúrbios de personalidade como narcisismo, paranoia e histeria.
"No momento da morte das crianças ela estava em meio a uma reação aguda de estresse", disse.
Em uma primeira audiência, realizada no hospital onde estava em tratamento após a queda, Theresa Riggi chegou a dizer a um oficial que queria "estar com seus bebês" e que tinha que proteger as crianças e fugir "do mal".
Ela também foi ouvida dizendo à sua mãe que havia sido salva por uma razão e que seus "bebês" estavam sendo cuidados por Deus.
Em comunicado, Pasquale Riggi disse que as crianças "viveriam em seu coração para sempre".
"A perda de minhas três lindas crianças foi uma tragédia arrasadora. Nada pode ser dito agora ou em qualquer momento para mitigar o que aconteceu."
A sentença de Theresa Riggi deve ser anunciada em 26 de abril.

FONTE: folhaonline

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário